Tegeline - Informações sobre o Remédio

Fabricante: LFP Biotecnologia

Princípio ativo: Atenolol e Atenolol

Classe Terapêutica: Imunoglobulinas Polivalentes Intravenosas

Requer Receita: Sim

Tipo de Receita: Branca Comum (Dispensação Sob Prescrição Médica Restrito a Hospitais)

Categoria: Doenças Do Sangue e

Especialidade: Imunologia clínica e Imunologia clínica

PDF: Bula do remédio Tegeline em PDF

Uso Hospitalar: Sim

Bula do Medicamento Tegeline

Tegeline, para o que é indicado e para o que serve?

Este medicamento é destinado ao tratamento de:

{ "tag": "UL", "list": [ "Imunodeficiência Primária (deficiência congênita do sistema imunológico) com hipogamaglobulinemia (com deficiência para produzir ", "Crianças com AIDS congênita e infecções recorrentes;", "Certas Imunodeficiências Secundárias da imunidade humoral (associada com outra doença) com deficiência de produção de anticorpos e associada à infecções recorrentes, transplante alogênico de medula óssea (transplante de células da medula óssea que produz as células sangüíneas vermelhas, células sangüíneas brancas e plaquetas) com deficiência de produção de anticorpos e associada a uma infecção;", "Púrpura Trombocitopênica Idiopática (PTI) (quantidade inadequada de plaquetas no sangue) em adultos ou crianças com alto risco de sangramento, ou antes de passar por uma cirurgia para corrigir a contagem de plaquetas;", "Retinocoroidopatia de “Birdshot”;", "Doença de Kawasaki." ] }

Como o Tegeline funciona?

Tegeline é uma imunoglobulina humana (soro imune e imunoglobulinas), que contém principalmente imunoglobulinas G (IgG). A administração apropriada deste medicamento é capaz de elevar uma taxa anormalmente baixa de imunoglobulinas G para níveis normais.
O mecanismo de ação do tratamento imunomodulador das IgG é multifatorial, implicando na imunidade humoral e celular.
As imunoglobulinas são completamente biodisponíveis após a sua administração. Ela é relativamente rapidamente distribuída entre o plasma e o fluído extravascular após aproximadamente 3-5 dias.
Quais as contraindicações do Tegeline?
Informar ao médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após o seu término.

Este medicamento não deverá ser utilizado nos seguintes casos:

 Alergia às imunoglobulinas humanas, em particular em pacientes que apresentam uma deficiência em imunoglobulina A (IgA) e com anticorpos circulantes anti-IgA;
Alergia (hipersensibilidade) conhecida a qualquer dos componentes da formulação.
Como usar o Tegeline?
Tegeline apresenta-se sob a forma de um pó a ser reconstituído extemporaneamente com água para preparações injetáveis.
Respeitar as regras de assepsia habituais.

Reconstituição:

{ "tag": "OL", "list": [ "Se necessário, deixar os dois frascos (pó e solvente) atingirem a temperatura ambiente." ] }
 
{ "tag": "OL", "list": [ "Retirar a cápsula protetora do frasco de solvente (água para preparações injetáveis) e do frasco de pó. ", "Desinfetar a superfície de cada tampa." ] }
 
 
{ "tag": "OL", "list": [ " Retirar a tampa protetora translúcida do sistema de transferência e inserir completamente a ponta exposta no centro da tampa do frasco do solvente enquanto realiza simultaneamente um movimento de rotação." ] }
 
{ "tag": "OL", "list": [ "Retirar a segunda tampa protetora da outra extremidade do sistema de transferência.", "Manter os dois frascos na posição horizontal (grade de proteção de abertura voltado para o alto) e afundar rapidamente a extremidade livre da ponta exposta no centro da tampa do frasco de pó. Assegurar- se de que a mesma esteja sempre imergida no solvente para evitar uma liberação precoce do vácuo." ] }
 
{ "tag": "OL", "list": [ "Colocar imediatamente o conjunto na posição vertical, frasco de solvente exatamente sobre o frasco de pó, de maneira a permitir a transferência do solvente para o pó.", "Durante a transferência, direcionar o jato de solvente sobre toda a do pó. Assegurar- se de que a totalidade de solvente seja transferida.", "No final da transferência, o vácuo é automaticamente liberado (ar estéril)." ] }
 
{ "tag": "OL", "list": [ "Remover o frasco vazio (solvente) juntamente com o sistema de transferência.", "Agitar vagarosamente por um movimento leve de rotação para evitar a formação de bolhas, até a dissolução completa do pó." ] }
O pó deve ser totalmente dissolvido em menos de 30 minutos.
O produto reconstituído deve ser examinado visualmente de modo a assegurar que não contenha partículas em suspensão.
A solução reconstituída apresenta uma opalescência mais ou menos acentuada.
Não usar a solução que estiver turva ou contiver depósitos.

Administração

{ "tag": "UL", "list": [ "As taxas de fluxo devem ser ajustadas com base na tolerância clínica e não devem exceder 1 ml/kg/h durante a primeira meia hora. Em seguida, elas podem ser aumentadas gradualmente até um máximo de 4 ml/kg/h.", "Administrar intravenosamente como uma dose única imediatamente após a reconstituição." ] }
Qualquer produto não utilizado deve ser descartado de acordo com as exigências locais. A posologia e o intervalo entre as administrações dependem do uso para o qual é destinado o tratamento e a meia-vida da imunoglobulina humana por via intravenosa in vivo nos pacientes com comprometimento de déficit imunológico.

Posologia do Tegeline

Tratamento de substituição em caso de déficit imunológico primário (síndromes de imunodeficiência primária)

O tratamento deve inicialmente assegurar uma taxa de IgG residual (ou seja, anterior à administração seguinte de IgG) de no mínimo 4 a 6 g/L. Após o inicio de um tratamento com IgIV, o equilíbrio é alcançado em 3 à 6 meses.
Pode-se recomendar uma dose de 0,4 à 0,8 g/ kg de acordo com as circunstâncias (infecção), seguida de uma perfusão de 0,2 g/ kg nas próximas 3 semanas. A dose de IgIV necessária para atingir uma taxa residual de 4 à 6 g/L é de aproximadamente 0,3 g/ kg/ mês, com uma variação de 0,2 à 0,8 g/ kg/ mês.
A frequência de perfusão varia de 15 dias à 1 mês. O aparecimento de infecções pode fazer necessário o emprego necessário o emprego temporário de perfusões mais freqüentes.
No tratamento substitutivo de déficits imunitários primários (Imunodeficiência Primária), uma dosagem das concentrações séricas de IgG antes de cada perfusão é necessária para monitoramento da atividade do tratamento e eventualmente ajustar a dose ou o intervalo de administração.

Tratamento de substituição em caso de déficit imunitário secundário (Imunodeficiência Secundária)

É recomendado uma dose de 0,2 à 0,4 g/kg durante a cada 3 à 4 semanas.

Púrpura Trombopênica Idiopática (PTI)

 Para o tratamento de um episódio agudo, 0,8 à 1 g/kg no dia 1, eventualmente repetido uma vez dentro de 3 dias, ou 4 g/kg/dia durante 2 à 5 dias. Este tratamento poderá ser repetido em caso de reaparecimento de uma recaída grave.

Tratamento de Retinocoroidite de Birdshot

 A posologia inicial é de 1,6 g/kg de 2 a 4 dias durante a cada 4 semanas ao longo de 6 meses. A dose de manutenção é de 1,2 g/kg de 2 a 4 dias, durante a cada 4 à 10 semanas.

Doença de Kawasaki

De 1,6 a 2,0 g/kg administrados em doses divididas de 2 a 5 dias ou 2,0 g/kg em dose única, associadas ao ácido acetilsalicílico.
IndicaçãoIndicaçãoIndicaçãoIndicaçãoDoseDoseDoseFrequência das injeçõesFrequência das injeçõesFrequência das injeçõesTratamento associadoTratamento associadoTratamento associadoTratamento associado
Imunodeficiência PrimáriaImunodeficiência PrimáriaImunodeficiência PrimáriaImunodeficiência Primária
Tratamento de substituição em caso de déficit imunológico primárioTratamento de substituição em caso de déficit imunológico primárioTratamento de substituição em caso de déficit imunológico primárioTratamento de substituição em caso de déficit imunológico primárioDose inicial de 0,4 até 0,8 g/kgDose inicial de 0,4 até 0,8 g/kgA cada 2-4 semanas para obter um nível residual de IgG de pelo menos 4 a 6 g/lA cada 2-4 semanas para obter um nível residual de IgG de pelo menos 4 a 6 g/l--
Dose de manutenção de 0,2 até 0,8 g/kgDose de manutenção de 0,2 até 0,8 g/kg
Imunodeficiência SecundáriaImunodeficiência SecundáriaImunodeficiência SecundáriaImunodeficiência Secundária
Tratamento de substituição em caso de déficit imunitário secundárioTratamento de substituição em caso de déficit imunitário secundárioTratamento de substituição em caso de déficit imunitário secundárioTratamento de substituição em caso de déficit imunitário secundárioDe 0,2 até 0,4 g/kgDe 0,2 até 0,4 g/kgA cada 3-4 semanas para obter um nível residual de IgG de pelo menos 4 até 6 g/lA cada 3-4 semanas para obter um nível residual de IgG de pelo menos 4 até 6 g/l--
ImunomodulaçãoImunomodulaçãoImunomodulaçãoImunomodulação
Púrpura, Trombocitopênica, IdiopáticaPúrpura, Trombocitopênica, IdiopáticaPúrpura, Trombocitopênica, IdiopáticaPúrpura, Trombocitopênica, IdiopáticaDe 0,8 até 1 g/kg ou 0,4 g/kg/diaDe 0,8 até 1 g/kg ou 0,4 g/kg/diaNo dia 1, eventualmente repetida uma vez dentro de 3 dias durante 2-5 diasNo dia 1, eventualmente repetida uma vez dentro de 3 dias durante 2-5 dias--
Retinocoroidite de BirdshotRetinocoroidite de BirdshotRetinocoroidite de BirdshotRetinocoroidite de BirdshotDose inicial de 1,6 g/kg durante 2 até 4 diasDose inicial de 1,6 g/kg durante 2 até 4 diasA cada 4 semanas durante 6 mesesA cada 4 semanas durante 6 meses--
Dose de manutenção de 1,2 g/kg durante 2 até 4 diasDose de manutenção de 1,2 g/kg durante 2 até 4 diasA cada 4-10 semanasA cada 4-10 semanas
Doença de KawasakiDoença de KawasakiDoença de KawasakiDoença de KawasakiDe 1,6 até 2,0 g/kgDe 1,6 até 2,0 g/kgEm várias doses durante 2 até 5 diasEm várias doses durante 2 até 5 diasÁcido acetilsalicílicoÁcido acetilsalicílicoÁcido acetilsalicílico
2 g/kg2 g/kgEm uma doseEm uma dose
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Tegeline?

Não administrar uma dose dupla para compensar a dose que não foi administrada. 
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgiãodentista.
Quais cuidados devo ter ao usar o Tegeline?

Tomar precauções particulares com Tegeline em caso de

{ "tag": "UL", "list": [ "Insuficiência renal, obesidade e/ou idade superior a 65 anos.", "Diabetes latente, diabetes ou regime hipoglicídico (regime pobre em açúcares)." ] }
Certas reações adversas graves ao medicamento podem estar relacionadas com o fluxo de infusão. O fluxo de infusão recomendado fornecido na seção "Posologia e método de administração" deve ser seguido à risca e os pacientes devem ser monitorados de perto e observados atentamente quanto a quaisquer sintomas durante todo o período de infusão.

O risco de reações anafiláticas ou de choque é maior

{ "tag": "UL", "list": [ "No caso de fluxo de infusão elevado.", "Se você apresenta hipo ou agamaglobulinemia, ou seja, carece de anticorpos efetivos ou produz uma quantidade insuficiente de anticorpos, com ou sem deficiência de IgA, especialmente durante a primeira infusão de Tegeline, ou se o tratamento anterior com Tegeline tiver sido realizado a mais de 8 semanas." ] }
Verdadeiras reações de hipersensibilidade são raras. Elas podem ocorrer no caso muito raro de deficiência de IgA com anticorpos anti-IgA.
Muito raramente, Tegeline pode induzir uma queda súbita na pressão sanguínea com uma reação anafilática, até mesmo se você já realizou tratamento anterior com imunoglobulina humana e foi bem tolerado.
A infusão será imediatamente interrompida se ocorrerem quaisquer reações alérgicas. No caso de choque, o tratamento médico padrão para choque será implementado.
Você será mantido em observação durante pelo menos 20 minutos após o término da infusão. Se for a primeira infusão de Tegeline, você deve ser mantido em observação durante pelo menos 1 hora após o término da infusão.
Se você segue uma dieta rígida com baixo teor de sal, atente ao fato de que este produto medicinal contém 8 mg de sódio por 10 mL.

Muitas vezes, as complicações em potencial podem ser evitadas assegurando

{ "tag": "UL", "list": [ "Que as taxas de infusão sejam atentamente monitoradas;", "A tolerabilidade da dose de Tegeline administrando-se uma infusão inicial lenta (1 ml/kg/h);", "Que você seja atentamente monitorado durante todo o período de infusão a fim de detectar sinais potenciais de intolerância." ] }
Casos de insuficiência renal aguda foram reportados em pacientes recebendo terapia com IVIg. Na maioria dos casos, certos fatores de risco foram identificados, como uma insuficiência renal preexistente, diabetes mellitus, hipovolemia, obesidade, o uso concomitante de medicamentos nefrotóxicos ou idade acima de 65 anos.

Em todos os pacientes, a administração de Tegeline requer

{ "tag": "UL", "list": [ "Hidratação adequada antes do início da infusão de IVIg,", "Monitoramento da urina produzida,", "Medição dos níveis de creatinina no soro,", "Evitar uso concomitante de diuréticos de alça." ] }
Embora esses relatos de disfunção renal e insuficiência renal aguda tenham sido associados com o uso de muitos outros produtos de IVIg, aqueles contendo sacarose como estabilizador foram responsáveis por uma parte desproporcional do número total.
Em pacientes de risco, o uso de produtos de IVIg que não contenham sacarose pode ser considerado.
Quando medicamentos são feitos de sangue humano ou plasma, certas medidas são instauradas para evitar que infecções sejam repassadas para os pacientes. Essas incluem a seleção cuidadosa de doadores de sangue e de plasma para garantir que aqueles em risco de transmitir infecções sejam excluídos, assim como a realização de testes de cada doação e de pools de plasma para os marcadores de vírus/infecções. Os fabricantes desses produtos também incluem passos no processamento do sangue ou plasma que podem inativar ou remover os vírus. Apesar dessas medidas, quando os medicamentos preparados do sangue humano ou plasma são administrados, a possibilidade de repassar infecção não pode ser totalmente excluída. Isso também se aplica a qualquer vírus desconhecido ou emergente ou outros tipos de infecções.
As medidas adotadas podem ter valor limitado contra os vírus não envelopados.
Recomenda-se que toda vez que uma dose de Tegeline for administrada, sejam registrados, pelo profissional de saúde, o nome e o número do lote do produto a fim de manter um registro dos lotes usados.

Dirigindo e operando máquinas

Não foi observado nenhum efeito na habilidade de dirigir e usar máquinas com Tegeline.

Informação importante sobre alguns dos ingredientes de tegeline

 Tegeline contém sódio em sua formulação.

Atenção diabéticos

Este medicamento contém Sacarose.
Quais as reações adversas e os efeitos colaterais do Tegeline?
Como todos os medicamentos, Tegeline pode causar efeitos colaterais.
Os efeitos colaterais devido à administração de Tegeline ocorrem mais frequentemente em pacientes que sofrem de Imunodeficiências Primárias.

Reação muito comum (> 1/10):

Assim como para outros produtos de IVIg, podem ocorrer reações como calafrios/hipertermia (aumento na temperatura do corpo) ocasionalmente acompanhadas de dor de cabeça, náusea (sentindo-se doente),

Reação rara (> 1/10.000 e < 1.000):

O risco de reação anafilática é maior para uma primeira infusão ou tratamento de imunomodulação, e ou pode ocorrer imediatamente ou entre 30 e 60 minutos após o término da infusão. No caso de choque, as orientações atuais para o tratamento de choque devem ser observadas.

Reação rara (> 1/10.000 e < 1.000):

Casos ocasionais de hipotensão (pressão sanguínea anormalmente baixa) e de choque anafilático foram informados até mesmo em pacientes que não experimentaram reações de hipersensibilidade durante as injeções anteriores.

Reação rara (> 1/10.000 e < 1.000):

Casos raros de pressão sanguínea alta isolada (pressão sanguínea anormalmente alta) foram informados em pacientes recebendo IVIg. 

Reação rara (> 1/10.000 e < 1.000):

Como com outras preparações de IVIg, foram informadas raras reações cutâneas regressivas, muitas vezes eczematiformes, casos raros de

Reação muito rara (< 1/10.000):

Casos de meningite asséptica reversível foram informados com IVIg especialmente em pacientes com Púrpura Trombocitopênica Idiopática. Essa meningite é reversível e desaparece dentro de poucos dias após o término do tratamento.

Reação rara (> 1/10.000 e < 1.000):

Casos raros de trombose foram informados em associação com IVIg, principalmente em pacientes idosos e em pacientes que estão em risco de isquemia cerebral ou cardíaca, excesso de peso ou sofrendo de hipovolemia grave.
Pode ocorrer leuconeutropenia (queda nos níveis de células sanguíneas brancas no sangue) regressando dentro de poucos dias.
Se você observar quaisquer efeitos colaterais não mencionados neste folheto, favor informar ao seu médico ou farmacêutico.
Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.
População Especial

Gravidez

Antes de tomar qualquer medicamento, solicitar a opinião de seu médico ou farmacêutico. Nenhum estudo de reprodução foi realizado com Tegeline em animais e há uma experiência limitada no estudo de mulheres grávidas. Embora nenhuma reação indesejável tenha sido informada no feto, Tegeline não deve ser administrado em mulheres grávidas, a menos que a necessidade para o tratamento tenha sido claramente estabelecida.

Amamentação

As proteínas contidas no Tegeline são constituintes normais do plasma humano. Sua passagem no leite materno não deve provocar efeitos indesejáveis no recém-nascido.
Qual a composição do Tegeline?
A substância ativa é imunoglobulina humana para uso intravenoso* 50 mg por 1 ml de solução reconstituída.

Após a reconstituição, um frasco de 10 ml contém

0,5 g de imunoglobulina humana,

Após a reconstituição, um frasco de 50 ml contém

2,5 g de imunoglobulina humana,

Após a reconstituição, um frasco de100 ml contém

5 g de imunoglobulina humana,

Após a reconstituição, um frasco de 200 ml contém

10 g de imunoglobulina humana.
* O pó contém um teor máximo de IgA de 17 mg/g de proteínas e contém traços de pepsina de origem animal.
Os demais componentes são sacarose e cloreto de sódio.
O solvente é composto por água própria para injeção.

Apresentação do Tegeine

Pó liofilizado e solução diluente 50mg/ml (10 ml, 50 ml, 100 ml, 200 ml).
Pó liofilizado de imunoglobulina humana 0,5 g + 10 ml de diluente + equipo.
Pó liofilizado de imunoglobulina humana 2,5 g + 50 ml de diluente + equipo.
Pó liofilizado de imunoglobulina humana 5 g + 100 ml de diluente + equipo.
Pó liofilizado de imunoglobulina humana 10 g + 200 ml de diluente + equipo.
* Equipo composto por: sistema de transferência.
Uso adulto e pediátrico.
Via de administração – intravenosa.
Superdose: o que acontece se tomar uma dose do Tegeline maior do que a recomendada?

Embora nenhum caso de superdose de Tegeline tenha sido informado, esta poderia predispor o paciente a certos efeitos colaterais dose-dependentes:

Meningite asséptica, insuficiência renal (função renal anormal), hiperviscosidade do sangue (engrossamento do sangue).
Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.
Interação medicamentosa: quais os efeitos de tomar Tegeline com outros remédios?
Vacinas de vírus vivo atenuado.
A administração de Tegeline pode comprometer a efetividade das vacinas constituídas de vírus vivos atenuados, tais como as vacinas contra sarampo,
Se você recebeu vacinas constituídas de vírus vivos atenuados (sarampo, rubéola, caxumba ou varicela) no decorrer das 2 semanas precedentes à perfusão, um controle de anticorpos protetores pós-vacinais poderá fazer-se necessário.
Qual a ação da substância do Tegeline (Imunoglobulina Humana)?

Resultados de Eficácia

Vários artigos de revisão indicam o uso da imunoglobulina humana (IGH) nas imunodeficiências primárias (IP) com predominância de defeitos de anticorpos (1, 2, 3, 4, 5). No entanto, ao se posicionar sobre a eficácia da IGH na prevenção de infecções intercorrentes nos pacientes com IP, estes autores baseiam-se apenas em outros artigos de revisão (7), nos ensaios que avaliam a eficácia da IGH para imunodeficiências secundárias (6, 8) ou em estudos tipo série de casos (9,10) e ensaios cruzados (11, 12) que comparam doses diferentes sem presença de grupo controle. Da mesma forma, Chapel (1994) (6), ao elaborar documento de consenso diagnóstico e de conduta para as IP no British Medical Journal, faz referência a apenas um artigo sobre estudo não controlado, não randomizado e não específico para as IP (13).
Referências
1. Spickett GP, Misbah AS, Chapel HM. Primary antibody deficiency in adults. Lancet 1991;337:281-4;
2. Bonilla FA, Geha RS. Primary imunodeficiencies. J Allergy Clin Immunol 2003;111:S571-81;
3. Tellier Z, Mouthon L. Les indications thérapeutiques des immunoglobulines intraveineuses. Transfusion clinique et Biologique 2003;10:179-84;
4. Ballow M. Primary immunodeficiency disorders: antibody deficiency. J Allergy Clin Immunol 2001;109:581-91;
5. Haeney M. Intravenous immune globulin in primary immunodeficiency. Clin Exp Immunol 1994;97(suppl I):11-5;
6. Chapel, HM. Consensus on diagnosis and management of primary antibody deficiencies. BMJ 1994; 308:581-5;
7. Pirofski B. Intravenous immune globulin therapy in hypogammaglobulinemia. A review. Am J Med 1984;76(3A):53-60;
8. Mofenson LM, Moye J Jr, Hirschhorns R, Jordan C, Nugent R. Prophylatic intravenous immunoglobulin in HIV-infected children with CD4+ counts of 0.20 x 10(9)/L or more. Effect on viral, opportunistic, and bacterial infections. The National Institute of Child Health and Human Development Intravenous Immunoglobulin Clinical Trial Study Group. JAMA 1992;264(4):483-8;
9. Liese JG, Wintergerst U, Tympner KD, Belohradsky BH. High- vs low-dose immunoglobulin therapy in the long-term treatment of X-linked agammaglobulinemia. Am J Dis Child. 1992 Mar;146(3):335-9 ;
10. Busse PJ, Razvi S, Cunningham-Rundles C. Efficacy of intravenous immunoglobulin in the prevention of pneumonia in patients with common variable immunodeficiency. J Allergy Clin Immunolol 2002;109:1001-4;
11. Roifman CM, Levison H, Gelfand EW. High-dose versus low-dose intravenous immunoglobulin in hypgammaglobulinaemia and chronic lung disease. Lancet 1987;i:1075-7;
12. Pruzanski W, Sussman G, Dorian W, Van T, Ibanez D, Redelmeier D. Relationship of the dose of intravenous gammaglobulin to the prevention of infections in adults with common variable immunodeficiency. Inflammation 1996;20(4):353-9;
13. National Institute of Child Health, Intravenous Immunoglobulin Study Group. Intravenous immune globulin for the prevention of bacterial infections in children with symptomatic human immunodeficiency virus infection. N Engl J Med 1991;325:73-80.

Características Farmacológicas

Farmacologia

Imunoglobulina Humana é usado para promover a imunização passiva, aumentando a concentração de anticorpos e o potencial da reação antígeno-anticorpo.
Os mecanismos de ação da terapêutica com imunoglobulina são complexos, mas, nos últimos anos, ocorreram importantes avanços nesse conhecimento; os mecanismos predominantes, em cada situação clínica, parecem depender da dose de imunoglobulina e da patogênese da doença em tratamento.

As ações imunomodulatórias da imunoglobulina endovenosa podem ocorrer por quatro separados componentes:

{ "tag": "UL", "list": [ "Ações mediadas por regiões variáveis F(ab’)2, ações da região Fc (fragmentos cristalizáveis) sobre os receptores Fc (FcR), ações mediadas pela ligação do complemento no fragmento Fc, substâncias imunomodulatórias diferentes de anticorpos na preparação da imunoglogulina endovenosa." ] }
Assim, por exemplo, o mecanismo da atividade da imunoglobulina aumentando o número de plaquetas no tratamento da púrpura trombocitopênica idiopática não está totalmente elucidado. A sugestão é que a imunoglobulina pode saturar os receptores Fc (fragmentos cristalizáveis) em células do sistema reticuloendotelial, diminuindo a fagocitose em mediadores Fc de células de anticorpos encapsulados.
Este bloqueio do receptor Fc pode ocorrer na medula óssea, no baço e em outras partes do sistema reticuloendotelial e pode acontecer através da competição por receptores Fc mediante o aumento das concentrações séricas de IgG ou através de complexos circulantes imunes. Alteração do receptor Fc por IgG ou supressão da produção de anticorpos antiplaquetas também podem estar envolvidos.

Farmacocinética

Absorção

Por ser administrada por via intravenosa, não há fase de absorção. A biodisponibilidade da imunoglobulina administrada ao paciente é de 100%.

Distribuição

É de 100% após administração intravenosa. Durante a primeira semana, a distribuição se equilibra em aproximadamente 60% no sangue e 40% no espaço extravascular.
É esperado que na primeira semana de administração da imunoglobulina humana intravenosa ocorra uma rápida queda no nível de IgG sérica.
O pico da concentração plasmática ocorre imediatamente após a administração intravenosa.

Toxicologia

A imunoglobulina é um constituinte normal do plasma humano e age como a imunoglobulina natural.
Teste para dose tóxica não pôde ser realizado, pois os modelos animais desenvolveram anticorpos para as proteínas heterólogas.
Foi relatado que a imunoglobulina não está associada à toxicidade embriofetal, oncogênese e que tenha potencial mutagênico.
Não foram descritos sinais de toxicidade aguda em modelos animais.
Como devo armazenar o Tegeline?
Conservar em temperatura ambiente entre 15°C e 30°C. Proteger da luz.

Prazo de validade

Desde que sejam observados os cuidados de armazenamento, Tegeline apresenta o prazo de validade de 36 meses. Nenhum medicamento deve ser utilizado após o término do seu prazo de validade, pois pode ser ineficaz e prejudicial à saúde.

Características do medicamento

Não usar a solução que estiver turva ou contiver depósitos.
O produto reconstituído deve ser examinado visualmente de modo a assegurar que não contenha matéria particulada. A solução reconstituída é opalescente até uma extensão variável.
Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.
Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.
Após preparo, este medicamento deve ser utilizado imediatamente. Todo produto não utilizado, ou sobra, deve ser eliminado.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.
Dizeres Legais do Tegeline
Registro MSRegistro MSRegistro MS
Tegeline 0,5 gTegeline 0,5 gTegeline 0,5 gTegeline 0,5 gMS nº 1 6307 0005/001-4MS nº 1 6307 0005/001-4MS nº 1 6307 0005/001-4
Tegeline 2,5 gTegeline 2,5 gTegeline 2,5 gTegeline 2,5 gMS nº 1 6307 0005/002-2MS nº 1 6307 0005/002-2MS nº 1 6307 0005/002-2
Tegeline 5,0 gTegeline 5,0 gTegeline 5,0 gTegeline 5,0 gMS nº 1 6307 0005/003-0MS nº 1 6307 0005/003-0MS nº 1 6307 0005/003-0
Tegeline 10 gTegeline 10 gTegeline 10 gTegeline 10 gMS nº 1 6307 0005/004-9MS nº 1 6307 0005/004-9MS nº 1 6307 0005/004-9
Farm. Resp.:
Aline Voijtila Balthazar
CRF-RJ n° 15497
Fabricado e Embalado (embalagem primária) por:
LFB Biomedicaments 59-61,
Rua de Trévise - 59000 LILLE – França
Embalado (embalagem secundária) por:
Delpharm Lille Sas
Zone Industrielle de Roubaix Est Rue de Toufflers -
59390 Lys Lez Lannoy – França
Importado por:
LFB – Hemoderivados e Biotecnologia Ltda
Av. das Américas n.º 500 – Bloco 11, sala 101
CEP: 22640-100 CNPJ: 07.207.572/0001-95
Serviço atendimento cliente: 0800 039 1779
Embalagem hospitalar. 
Uso restrito a hospitais.
Venda sob prescrição médica.